segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

COVILHÃ MOSTRA ALGARVIOS EM CARICATURA

O óptimo Queijo da Serra que pode ser comprado em toda a zona da Covilhã fez com que os nossos jogadores se tivessem esquecido que estavam ali para ganhar uma partida de Futebol. A esperança que depositámos num resultado positivo era imensa mas as expectativas saíram defraudadas por uma paupérrima exibição que não teve ponta por onde pegar. O Sp. Covilhã jogou mal, nunca massacrou o Portimonense, mostrou-se uma equipa muito previsível e poucas vezes rematou à baliza. Como se explica então que tenha tido um jogo tão tranquilo? Simples: o Portimonense conseguiu ser pior que isso, especialmente a nível defensivo. As bolas paradas voltaram a ser fatais. Paulo Ribeiro voltou a ter culpas directas em dois dos golos. No primeiro fez óptima assistência para um jogador adversário após livre frontal marcado por Bura, potente, mas à figura e defendido para a pequena área. O guarda-redes falhou mas... onde estavam os defesas?! No quarto golo saíu mal a um pontapé de canto marcado para a zona de grande penalidade e, incapaz de chegar ao esférico, viu o adversário antecipar-se num cabeceamento fraco que levou a bola, lentamente, para o fundo da baliza. Guarda-redes inconstante, capaz de defesas do outro mundo (como aquela aos vinte minutos, junto ao poste direito, que adiou o primeiro golo) e de erros infantis. Pelo meio, um auto-golo de Tambussi após cruzamento na direita em sequência de jogada rápida e um livre do lado direito do ataque da equipa da Covilhã, junto ao bico da área, que levou a bola a desviar num defensor Portimonense para traír Paulo Ribeiro, aumentando o placard para uns consentidíssimos 4-0!!! Na 1ª parte salvaram-se do naufrágio Hugo Santos e Rui Pedro que, com um Henrique muito recuado, foram conseguindo tabelar e levar jogo para a frente. Mas remates, que nos recordemos, apenas um! Raphael tocou três vezes na bola. Diogo não vira a cara à luta e mostra garra, mas esteve sempre muito "trapalhão". Até Ricardo Pessoa teve tarde complicadíssima com Pimenta (para nós, melhor em campo) pela frente. Na segunda parte, uma total ausência de ideias não permitiram qualquer tentativa de recuperação da desvantagem que, ao intervalo, já era de dois golos, tendo Vítor Pontes lançado Gonzalo e Vasco Matos para os lugares de Henrique e Raphael.
Loureiro justificou o porquê de não ser opção a titular reguralmente, dando razão às opções do treinador: raio de acção limitadíssimo a uns míseros metros quadrados, incapaz de uma acção em velocidade e sem capacidade de distribuír jogo. Que falta fez Nuno Coelho! A defesa parecia manteiga com a pior exibição que já vimos a nível global. E foi exactamente neste sector que o Covilhã nunca falhou, apesar das limitações evidentes. Assacar responsabilidades aos jogadores mais avançados do Portimonense também nos parece muito limitado pois o jogo nunca foi levado para a frente em condições para que, quer Henrique, quer Gonzalo, pudessem concluír uma única jogada. Que dizer então de tudo o que vimos ontem? Talvez que praticámos um Futebol capaz de dar luta a qualquer equipa da 3ª divisão, de pontapé para a frente, sem garra e com enorme falta de atitude, perante um Covilhã que, estando perfeitamente ao nosso alcance, acabou por golear, sem ter jogado para tanto. Vencedor justo em jogo mau de mais.
Ah, o Portimonense marcou o primeiro golo fora desde Leiria. Canto do lado direito, aparentemente igual a tantos outros. De forma ingénua, o defensor da equipa da casa saltou com o braço no ar e tocou na bola. Ricardo Pessoa converteu, bem, o penalty, aos 89 minutos, estabelecendo o resultado final em 4-1.
Enquanto adeptos que AMAM o Portimonense, nunca poderemos faltar com o apoio a uma situação que não é animadora. Cabe-nos ajudar a construír, e não destruír. No entanto temos a obrigação de questionar os nossos jogadores sobre se é isto que pretendem dar pelo nosso clube, cumpridor e respeitador. Aproveitem a pausa de Natal e pensem no que deram ontem aos nossos adeptos. Se fosse pelo jogo de ontem, eu diria que em vez de férias mereciam trabalhar a dobrar para corrigir tudo o que tem falhado, que ontem foi levado ao cúmulo de uma qualquer caricatura. 20 adeptos do Portimonense saíram do Estádio resignados a tudo o que viram porque a jogar daquela maneira não há desculpas que valham.
Esperamos que tudo não tenha passado de um dia mau pois, até ao momento (ao menos isso!) o Portimonense mantém-se com alguma margem dos lugares de despromoção, fruto dos pontos que amealhou na fase inicial do Campeonato, mantendo os objectivos mínimos cumpridos. É por isso que ainda há quem acredite que esta sequência má pode e deve ser superada. Desde que jogos como ontem não se repitam.
Ver também: crónica do jogo pelo Blog dos Ultras da Covilhã.

5 comentários:

Bruno disse...

Na minha opinião,adepto que vai ao estadio,deve apoiar a sua equipa durante o decorrer do jogo,após o término do mesmo,se achar que tem razões para criticar pode criticar

guetov disse...

Bruno, e se acahar que deve apoiar e elogiar também pode e deve fazê-lo.
Curiosamente ou talvez não, isto não costuma acontecer...

Ruben disse...

Continuando com a "discussão" que vem ainda do primeiro post do jogo...

Concordo que não é justo falar sempre mal e nunca dar o apoio ou os elogios necessários. E é pena que no adepto comum a vontade seja sempre mais de falar mal ...

Mas também não acho certo que numa semana se fale maravilhas de um jogador ou treinador, e na outra já se está pronto para criticar, ou vice-versa. Há que haver coerência.

Dias bons e maus todos têm. Neste caso o que temos que avaliar é a regularidade, e a produtividade.

Aliás, nós nem temos que o fazer. Isso é tarefa da direcção e treinadores por ela escolhidos. O que nós fazemos são meros exercicios especulatorios de quem não tem conhecimento profundo do que se passa num balneáreo / clube de futebol.

Em ultima instancia, cabe-nos apenas avaliar o trabalho da direcção. Na minha opinião tem sido um bom trabalho na generalidade, embora em alguns aspectos gostasse que houvesse mais transparencia e esclarecimentos, mas imagino que sejam os segredos inerentes aos negócios. O importante é que o Portimonense não saia prejudicado.

Anónimo disse...

apesar do descalabro alguns jogadores lutaram com todas as forças...
gostei muito do rui pedro que na minha opiniaão tem sido dos melhores jogadores nos ultimos jogos... desde do primeiro jogo que vi dele evoluiu muito...
força que ainda falta muito campeonato pela frente

Algarvio disse...

BIMBOS!!