sexta-feira, 27 de março de 2009

Fábio Nunes voltou a ser suplente no dia em que Portugal venceu mas disse adeus ao Europeu...



A Selecção Nacional Sub-17 defrontou e venceu a Hungria por 1-0, esta 6ª feira. Apesar do resultado, tendo em conta a segunda vitória que a Inglaterra alcançou, ao início da tarde, frente à Sérvia, os Sub-17 lusos irão falhar a fase final do Europeu Alemanha 2009.

Sabendo de antemão que não poderiam marcar presença na fase final do Europeu, os Sub-17 lusos não baixaram os braços e entraram no jogo determinados a fazer uma boa exibição. No entanto, do outro lado, estava uma equipa que ainda sonhava com o apuramento, o que dificultava a tarefa lusa.
Tal jogo de forças acabou por se reflectir no marcador, que manteve o nulo durante toda a primeira parte. Aos 48 minutos, Filipe Barros conseguiu impor-se na defensiva húngara e marcou o primeiro e único golo do encontro.
Apesar das oportunidades criadas pela Equipa das Quinas, a vantagem mínima manteve-se até ao apito final.

Classe e dignidade

No final do encontro, Edgar Borges considerou esta partida como uma das mais difíceis do grupo de trabalho. "O estado de espírito dos meus jogadores era o pior, porque sabiam de antemão que não poderiam apurar-se. O factor psicológico determina muitas coisas e, neste caso, era fundamental que os jogadores não se deixassem afectar pelo facto de não alcançarem o que, durante tanto tempo, pensaram ser possível. Para além, disso, defrontámos uma equipa que ainda acreditava no apuramento e por isso mesmo se debateu da melhor forma", afirmou ao fpf.pt.

O Treinador Nacional diz-se satisfeito com o comportamento global dos atletas e, principalmente, orgulhoso com a dignidade e classe evidenciada neste encontro. "Os jogadores estavam muito desanimados de início, mas não perderam a dignidade e souberam apresentar-se em campo com a maior das classes. Estou muito orgulhoso deles, porque souberam ultrapassar as dificuldades e brindar-nos com um bom jogo".

Ficha do Jogo

Jogo da 2ª Jornada do Grupo 7 da Ronda de Elite da UEFA.
Rohonci Út, Szombathely (Hungria).
Árbitro: Aleksander Gauzer (Cazaquistão).
Árbitros Assistentes: Yevgeniy Belskiy (Cazaquistão) Svein Inge Wiken (Noruega).
4º Árbitro: Tom Harald Hagen (Noruega).

PORTUGAL 1-0 HUNGRIA (0-0, ao intervalo).

Portugal: João Figueiredo, João Amorim, Ricardo Ferreira, Miguel Serôdio, André Dias, Sérgio Oliveira (Kabi, 56') , Ruben Pinto (Tiago Romeira, 79'), Filipe Barros (David Viana, 74’) , William Carvalho, Luís Gustavo e Afonso Taira.
Suplentes não utilizados: Tiago Ribeiro, Pedro Cavadas, Luís Martins e Fábio Nunes.
Treinador: Edgar Borges.
Disciplina: Cartão amarelo a Sérgio Oliveira (20').
Golos: Filipe Barros (48').

Hungria: Robert Ambrusics, Krisztian Tar (Lajos Toth, 64'), Kenneth Otigba, Mark Farkas, David Kelemen, Armand Nagy, Norbert Angyal, Bence Gyurjan, Milan Kalasz, Csaba Ponczok e Matyas Magos.
Suplentes não utilizados: Maté Skriba, Istvan Kovacs, Botond Barath, Peter Nacsa, Zsolt Tobias e Balint Nagy.
Treinador: Wilco Van Buren.
Disciplina: Cartão amarelo a Bence Gyurjan (70').
Golos: Nada a assinalar.

Fábio Nunes poderá estrear-se no último encontro frente à Sérvia, a ser disputado no próximo dia 30/3, pelas 17h30 locais.

7 comentários:

A.P disse...

Querem ver que vai a um torneio , e não tira os pés do banco ?


Possas :S

Bruno disse...

E já agora hoje é dia 27 de Março e Assembleia Geral no Portimonense nem ve-la

Anónimo disse...

Há aqui qualquer coisa que não bate certo.
Se isto é uma fase final para o apuramento de um europeu, como é que se convoca um miúdo no caso do Fábio Nunes que joga na 2ª divisão nacional??
Só os clubes da 1ª não havia melhores??
Se o Fábio Nunes mesmo na 2ª é tão bom, como é que um grande ainda não o foi buscar?
Há aqui jogos de interesses nas selecções jovens, isto é tudo uma palhaçada.

Simões disse...

Há uma coisa que se chama Direitos de Formação que protege os clubes formadores.

Qualquer clube pode tentar contratá-lo nas o Portimonense teria sempre direito a receber dinheiro.

Se este regulamento não existisse, duvido que o jogador ainda estivesse em Portimão.

Anónimo disse...

até mesmo um braga não tem problema a pagar esse dinheiro ao portimonense para um jogador de 17 anos.
vê lá se acordas para a vida, há os cegos e há os que não sabem que são cegos.

Anónimo disse...

E EXISTEM PESSOAS TÃO FRUSTADAS K ATÉ DÁ PENA

Simões disse...

Os Direitos de Formação protegem os clubes "pequenos" garantindo que a formação dos jovens possa ser devidamente compensada.

Injusto seria um clube "grande" vir buscar um nosso jogador promissor sem ter que pagar por isso, nem ter investido um cêntimo.

É por isso que os clubes grandes já não contratam juniores tão facilmente. É justo e, neste caso, protege o Portimonense.