quinta-feira, 8 de maio de 2008

ARTIGO DE OPINIÃO - FUTEBOL "MÉDIO" A MORRER

O Futebol "médio" está a morrer em Portugal.

No histórico Boavista os ordenados em atraso acumulam-se, fala-se já numa descida de divisão que será a mesma estrada por onde o vizinho Salgueiros partiu para não mais regressar.
Na Amadora a paciência dos jogadores esgotou-se. Mantém-se a dignididade de entrar em campo e de lutar por uma vitória, mesmo sem treinar durante a semana.

Enquanto isto, na Roménia, o CLUJ sagrava-se Campeão. Nos seus quadros estão 8 jogadores portugueses. Manuel José jogou no Boavista, tal como Cadu. Tony jogou no Estrela da Amadora, tal como Semedo.
No Chipre a comunidade de futebolistas portugueses adensa-se a cada ano que passa. Estamos a falar de um país cuja área ocupa o dobro da região algarvia, onde qualquer futebolista contratualiza (e recebe!) facilmente o dobro do que aufere em Portugal, na divisão principal. País que futebolisticamente, nem há dez anos lutava para não sofrer meia dúzia de golos em jogos de selecções.

Foi por pouco que o Portimonense escapou de situações semelhantes que nos obrigaram a tomar medidas drásticas, a aplicar correntemente, que impedissem a acumulação de dívidas. Será talvez por isso que a novela "Pontes" ainda não teve o desenlace que todos desejamos. Falta dinheiro nos clubes médios nacionais. As gestões são duvidosas e baseiam-se em pressupostos que nem sempre são alcançados: chegar a uma competição europeia; subir de divisão; encaixe financeiro aproveitando a valorização de algum jogador. Se alguma coisa correr mal, ficou a dívida. Afinal, o Futebol não pode ser tratado como uma ciência porque inúmeras variáveis influenciam cada resultado final, cada golo, ou simplesmente cada remate à baliza: basta a relva estar esburacada e um jogador de baliza aberta falhará um golo certo. Isto não é ciência, é azar, e azares acontecem.

Dificilmente esta crise atingirá clubes grandes e pequenos. Os "grandes" têm receitas certinhas, patrocínios, sócios e facilmente conseguem resolver a questão financeira de uma época menos conseguida. Bastaria vender um bom jogador. No Benfica fala-se de Luisão e de Nélson. Milhões que dariam para "encobrir" eventual falhanço no acesso à Liga dos Campeões.
Por outro lado, os "pequenos", habituados ao seu espaço comunitário, conseguem o orçamento de uma época no "baile anual", na venda da rifa para o cabaz de Natal. Dificilmente este tipo de clubes irá morrer pela forma marcada como a comunidade em que estão inseridos vai colaborando, gota a gota. Sem poderem aspirar a mais, também vão sobrevivendo no tempo.

O problema reside nos clubes médios. São grandes demais para terem que suportar uma descida de divisão. Mas são pequenos demais para, entre os melhores, se baterem de igual para igual. Depois lá aparece um investimento desmesurado que quando repetido acaba por levar clubes deste calibre à ruína, como está a acontecer com Boavista e Estrela da Amadora. Como aconteceu ao Farense e Salgueiros.

Ora, é precisamente neste lote de clubes médios que o Portimonense está inserido. Poucos teriam suportado uma descida de divisão esta época, mas todo reconhecemos que numa Liga BWIN estamos uns furos abaixo de clubes que outrora lutaram pelo mesmo objectivo que nós, casos de Guimarães, Braga ou Marítimo. Temos que ter noção da nossa actual realidade e não pedir mais do que é possível ter. Está também na hora de nos assumirmos como verdadeiros Portimonenses, e não apenas como simpatizantes deste clube para que, no futuro (que será risonho) não estejamos divididos: somos do Portimonense, não do Benfica, do Sporting, nem do Porto.

É aqui que o Guimarães do nosso "amigo" Cajuda se torna diferente de todos os outros, e vejam o resultado! No papel de clube médio, qual a empresa que pensa duas vezes antes de investir num clube que enche o Estádio com 30 mil pessoas e está à beira de uma Liga dos Campeões?! É esta a única realidade que poderemos e deveremos ambicionar atingir!

Por enquanto tratemos de encerrar a época em grande. Na próxima, que ninguém falte nos bons e nos maus momentos pois assim o Portimonense, ao contrário de muitos clubes "médios", nunca irá morrer e todo este sonho que foi a segunda volta do Campeonato será prolongado! Venham mais sócios, venham os apoios das empresas, venham iniciativas que façam crescer o nome do Portimonense. Tudo o resto virá por acréscimo.

12 comentários:

Anónimo disse...

O post de Simõesonov acho que elucida muita gente.
Oxalá todos tivessem esta compreensão da crise para que unidos pudéssemos evitar a queda do Portimonense que quanto a mim após esta época e sem o Sr. Pontes...olhem não sei!!!....
Cumprimentos

Ruben disse...

Concordo plenamente! Muito bom artigo!

Agora, que se fala tanto ba Liga conseguir fiscalizar os clubes que cumprem com os seus compromissos, e penalizar os não cumpridores, será que isso não contribuirá para aumentar ainda mais o fosso entre os grandes e os médios?

Uma das soluções é apoiarmos o clube da nossa terra, e deixarmo-nos de grandes.

Anónimo disse...

Eu não acredito na permanencia do Vitor Pontes no Portimonense.Caso se confirme a sua saida,acho que seria uma boa altura para fazer regressar o treinador Amilcar Fonseca ao Portimonense.Muito se especula em relação ao ordenado que o Vitor Pontes auferia no Portimonense,mas tendo em vista uma contenção orçamental e um projecto com futuro penso que a melhor solução seria o Amilcar.é que imaginemos que viria outro e tivesse o sucesso do Pontes,provavelmente chegaria aqui outro clube com melhor capacidade financeira e levava-o,com o Amilcar duvido que isso acontecesse.O Portimonense não pode ser um clube onde os treinadores recuperam carreiras,mas sim um clube em que o treinador venha para ca com um projecto para vários anos

Anónimo disse...

Anónimo das 12.55
Se me permites acho que estas a ver mal a coisa.
O que nós queremos é um treinador de sucesso. Senão continuamos a patinar...esta manutenção foi de nos deixar arrasados.

Anónimo disse...

GRANDE SIMOES!ESTE POST E BEM ILUCIDATIVO DA REALIDADE DOS CLUBES MEDIOS E NAO SO,EM PORTUGAL.E O NOSSO PORTIMONENSE NAO FOGE A REGRA,POREM VIVEMOS NUMA CIDADE DE LOBBIES E O APOIO DA-SE EM FUNÇAO DAS PESSOAS QUE POSSAM INTEGRAR OS ORGAOS SOCIAIS DO CLUBE...INFELIZMENTE...ASS.NUNO PACHECO

Paulo disse...

Um dos grandes problemas em Portugal para os clubes "medios", é sem duvida nenhuma, a falta de mediatismo, não há comunicação social, que mostre um compacto da liga Vitalis.
Se assim fosse, seria uma poderosa "arma" ao alcance de quem negoceia os patrocinios, consequentemente, mais dinheiro.
É vergonhoso, vermos os lances de um penalti, ou de um off-side, vinte vezes na TV, e não há tempo de antena para esses clubes de segunda linha, no entanto, já servem de noticia, por vezes em abertura de telejornais, quando se encontram em situação de colapso finançeiro.
Mas tambem serão os meios de comunicação social assim tão culpados?
O aspecto morbido das situações criticas, são muito mais atraentes aos olhos do telespectador, ou não será assim?
Quanto á comparação com a Romenia, isto se for comparavel, como é do conhecimento geral, a Romenia faz parte de um grupo de países do Leste europeu, donde teem surgido nestes ultimos anos, alguns magnatas com furtunas incalculaveis, mas ninguem sabe de onde vem esse dinheiro, ou melhor, alguem sabe, mas não interessa divulgar.
Daí os jogadores de futebol, poderem ser mais bem pagos, logo, debandada geral para jogadores e treinadores.
Mas o grande, e sério problema dos clubes pequenos reside, por muito que se fale, que se discuta, em nós adeptos.
Ainda só para comparar, quem assiste a um jogo do campeonato ingles, mesmo a equipa estando a perder, todos de pé, com os canticos, com os gritos.
Em Portugal, a equipa está a ganhar, mas um passe sai mal, logo assobios, "vamos embora".
Vamos deixar de ser tão Formais, deixar de ser tão "je mon fut por cette merde".
Pedem 2,5€ aos sócios, e cai o carmo e a trindade, o que tenho ouvido em portimão esta semana, é de bradar aos céus.
Pedem 5€ ao publico em geral, pergunta-se, será justo?
Obrigado Simões, o futebol Portugues, precisa deste tipo de discuções.
Força Portimonense

jose cravo disse...

Sem duvida, excelente artigo.
Nestes ultimos anos o numero de clubes a fechar as portas tem-se avolumado de uma forma incrivel.
E (infelizmente) a situaçao parece ainda nao ter o seu fim.
E necessario tirar ilaçoes e aprender com os erros. O meu clube (Académico
de Viseu) a meia duzia de anos atras
também viveu esse dilema, mas
"ressuscitou".
Da vossa parte, continuem a apoiar
o vosso clube. O Portimonense e a
linda cidade de Portimao merecem.

Saudaçoes desportivas,

José Cravo

Simõesonov disse...

Paulo,

Yap, também fiquei doente quando alguém perguntou muito desconfiadamente "quê??? os sócios têm que pagar 2,5€"???

Ruben disse...

esta época nem assobios nem apoio ... não se ouve nem uma mosca naquele estádio :(

Ruben disse...

Penso que o factor principal de se ter que pagar o valor simbólico de 2,5 é que existem agora os torniquetes, e os cartões de sócio não estão preparados ainda para validar a entrada, assim, acima de tudo para facilitar, e para gerar alguma receita extra, que de resto, a equipa merece, pagamos um valor justo!

Anónimo disse...

Penso que 2,5 euros não é nada hoje em dia...se tirarem daí alguma receita para algumas despesas. Afinal estamos todos aqui para ajudar ou não???
Gostava de não ouvir os sócios discutir este valor tão pequeno que acreditamos que vão ser aplicados numa boa causa.

Anónimo disse...

E acham que os bilhetes estão baratos?Façam as contas...Um socio numa epoca gasta mais de 100 euros,ora nem todos têm hipotese de ir ao futebol!E depois dizem porque não vão aos estádios?Ganham mais se meterem bilhetes mais baratos porque vão mais pessoas,mas é demais pagar 5 jogos do clube!Deviam acabar com isso!Depois mais jogos das Taças...